sexta-feira, 27 de setembro de 2013

QualquerCoisaGospel em vídeo Nº 1

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Jesus, Feliciano e Protesto com Beijo Lésbico

A grande maioria das pessoas tomou conhecimento do protesto que duas jovens fizerem em um culto do pastor e deputado Marcos Feliciano. Resumindo a história: Elas começaram a se beijar acintosamente e ao sentir-se provocado, Feliciano chamou a guarda municipal para retirar as meninas. Do ponto de vista humano, nada de mais, pois realmente é função da guarda municipal impedir desordem e a atitude foi bastante provocatória. No entanto uma reflexão se faz necessária: como Jesus reagiria em situação semelhante?

Antes da reflexão, é forçoso admitir que não sei como reagiria em uma situação dessas. Você se depara com um problema e tem apenas uma fração de segundos para decidir. Normalmente somos impulsivos e nossa capacidade de racionar fica prejudicada, no entanto creio que seja nosso dever como cristãos reagir de maneira cada vez mais próxima daquela que Jesus teria.

É necessário buscar situações parecidas na Bíblia e o relacionamento dele com a pecadora em vias de ser apedrejada parece ser a mais próxima.

Visto que continuavam a interrogá-lo, ele se levantou e lhes disse: "Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela".
João 8:7


É bastante possível que Jesus parasse  o culto, se dirigiria às duas, formando um circulo, protegendo as duas da multidão. Com sua doçura costumeira teria olhado profundamente para elas e teria dito algo assim: "Eu conheço vocês desde o dia em que vocês nasceram, eu sei do vazio que vocês sentem no coração e conheço todas as coisas que vocês tentaram fazer pra preencher este vazio. Vocês são como a samaritana que procurou a felicidade em oito homens diferentes e não encontrou. Vocês estão sedentas e nem sabem quem está diante de vocês, pois se soubessem pediriam e eu lhes daria de beber."

Jesus também olharia para a multudão e diria: "e vocês que estão aqui e me chamam de Senhor, muitos jamais me coonheceram e estão tão sedentos quanto ela. "aquele que quiser vir após mim, tome sua cruz e siga-me". Ah se vocês soubessem o que significa "misericórdia quero e não sacrifício  não condenariam os inocentes."

Jesus se voltaria para as moças e diria: voltem para casa e não pequem mais!

Elas sairiam totalmente transformadas pelo amor de Deus e nunca saberíamos porque isso jamais teria se tornado notícia. Jesus conhecia profundamente o coração humano, suas falhas e suas mazelas. Conhece as inquietações do coração, seus medos e o ponto exato que nos separa de Deus. precisamos rever nossos métodos. Apenas teologia não é capaz de transformar vidas, somente o amor pode atrair a humanidade a Cristo. Feliciano perdeu uma oportunidade de demonstrar esse amor, mas quantas nós perdemos todos os dias. Antes que você fale que não somos Jesus e é impossível agir como ele, lembro de uma passagem no livro A cruz e o Punhal na qual o pastor David Wilkerson é ameaçado de morte por um membro de uma gangue em Nova York, e ele sem titubear fala que mesmo se fosse picado em pedacinhos, cada pequena parte ainda continuaria amando o menino. Este andou nos passos de Jesus e como ele muitos outros. Precisamos buscar este nível de espiritualidade em nossas vidas.

Julgar é fácil, difícil é seguir o exemplo de Jesus, amando os pecadores e os conduzindo a salvação. Não existem desculpas, quem segue Cristo precisa andar da maneira como ele andou. Precisamos aprender a controlar nossos impulsos, a fim de realmente sermos servos úteis de Jesus.

Em Cristo

Silvio Barbosa

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Faça uma dieta pra Deus

"Seria este o jejum que eu escolheria, que o homem um dia aflija a sua alma, que incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aprazível ao Senhor?"


O Jejum, apesar de ter diminuído em frequência  é uma prática bastante comum em nossas igrejas. Normalmente é praticado abstendo-se de uma ou duas refeições. Não questiono a validade da disciplina pessoal, no entanto temo que muitos realmente jejuam sem ter ideia do que estão fazendo.

Antes de mais nada permita que exponha um pouco  do que penso a respeito do jejum. 1. Não comer não torna ninguém mais santo do que outros. 2. Jejum é um disciplina espiritual, fortemente ligada ao domínio próprio. 3. Tem como característica a negação da carne, portanto torna-se simbolo de nosso desapego ao ego. Visto dessa forma o Jejum é de muita utilidade, porém não tem sido praticado dessa maneira. Alguém acredita que está agradando a Deus ao ficar um dia inteiro sem comer, para em uma refeição comer muito mais do que em um dia inteiro?

Precisamos ser inteligentes em nossa vida espiritual. O que você julga que Deus prefere: um dia sem comer ou a escolha voluntária por ingerir a metade dos alimentos que normalmente consumiríamos por 40 dias ou mais? A gula é considerada pecado na Bíblia, assim como qualquer coisa que nos prenda ou nos domine. Se somos escravos da comida, não estamos servindo a Deus.



Não me entenda mal, gosto de comer, não vejo problema nenhum em comer bem, contudo precisamos controlar nossa alimentação, e não sermos controlados por ela. Quando você escolhe comer menos, isso certamente irá refletir no seu peso, então será que existe melhor regime do que exercitar o domínio próprio? 

As vezes nós complicamos demais a vida cristã. estabelecemos metas inatingíveis. Somos como os fariseus descritos por Paulo como "zelosos, mas sem entendimento". Peça a Deus nesse momento que ajude você a desenvolver o auto-controle, pois é através dele que você dirá não parra seu ego todos os dias. "Posso todas as coisas, mas não serei dominado por nenhuma". Então, faça uma dieta pra Deus e veja o poder espiritual que ele derramará na sua vida.

Em Cristo
Silvio Barbosa

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Conhecimento e Atitude

Existe um conceito muito comum em nossas igrejas de que a Bíblia não nos foi dada para obtermos conhecimento, mas sim para transformar nossas vidas. Em uma análise rasa, a frase é perfeita, pois o objetivo final da palavra de Deus é sempre a transformação do indivíduo, no entanto é perfeitamente bíblico que essa transformação se opera através do conhecimento da revelação eterna.



"Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus."




"E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará".



Muito se tem falado de atitude cristã em oposição àqueles que tem apenas conhecimento mecânico das escrituras, no entanto este pensamento levado ao extremo tem produzido crentes bem dispostos, mas incapazes de atingir a maturidade cristã e inaptos para levar outros a cristo. Não é a toa que muitos tem se tornado apenas ponte entre os incrédulos e o pastor da igreja, pois se perguntados sobre a razão de sua esperança, são incapazes de demonstrá-la claramente.

É bastante sintomático que a maturidade da igreja tem diminuído na direta proporção que tem diminuído a frequência aos encontros de ensino e discipulado. Muitos líderes não tem interesse no desenvolvimento intelectual de seus liderados, pois um povo não instruído é mais fácil de manipular. Não se engane, Deus distribuiu os dons de pastores e mestres para que a igreja cresça em conhecimento e assim possa atingir a maturidade plena,  a estatura de homem perfeito  O conhecimento não é inimigo da atitude cristã, mas sim sua base e seu combustível.

Obviamente conhecimento pelo conhecimento não gera frutos, no entanto divorciar teoria e prática pode gerar resultados destruidores na igreja. Hoje muitos tem medo de discordar, de debater, mas essa é a forma como o conhecimento é aprimorado. Paulo questionava Pedro publicamento. Os Corintios pediam instrução a Paulo. As cartas do novo testamento são  essencialmente didáticas. Os evangelhos foram dados para que conhecêssemos os fatos da salvação. Você acha realmente possível ser cristão sem buscar conhecimento? Até mesmo o Espírito Santo nos é dado na forma de professor.


Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que eu lhes disse.



Você ainda acha possível? Não tente se enganar, se você não buscar o conhecimento, certamente acabará dominado por algum líder inescrupuloso que a Bíblia descreve como lobo voraz. Estude, leia, busque saber o máximo possível acerca dos fatos da fé, pois com certeza será de muita utilidade, como para Timóteo que fora instruído em toda a escritura. E lembre-se que aquilo que você sabe, ninguém jamais será capaz de roubar.

Em Cristo

Silvio Barbosa

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

O Deus da Vitória


"Você, porém, ó Israel, meu servo, Jacó, a quem escolhi, vocês, descendentes de Abraão, meu amigo, eu os tirei dos confins da terra, de seus recantos mais distantes eu os chamei. Eu disse: "Você é meu servo"; eu o escolhi e não o rejeitei. Por isso não tema, pois estou com você; não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei; Eu o segurarei com a minha mão direita vitoriosa. "Todos os que o odeiam certamente serão humilhados e constrangidos; aqueles que se opõem a você serão como nada e perecerão. Embora procure os seus inimigos, você não os encontrará. Os que guerreiam contra você serão reduzidos a nada. Pois eu sou o Senhor, o seu Deus, que o segura pela mão direita e lhe diz: Não tema; eu o ajudarei. Não tenha medo, ó verme Jacó, ó pequeno Israel, pois eu mesmo o ajudarei", declara o Senhor, seu Redentor, o Santo de Israel.



Todos vivem momentos nos quais as forças parecem acabar. Depressão, angústia e um sentimento de desespero são a realidade de muitos cristãos. Não é difícil encontrar pessoas que, mesmo sem admitir, desejariam a morte. Não devemos julgá-los. O grande Elias passou por isso. Paulo declara por momentos ter desesperado da própria vida. Pedro abandonou tudo e voltou a pescar.



Esse sentimento é natural. Estamos em constante batalha contra as forças do maligno. Satanás com astúcia, reforça aos nossos olhos nossas falhas e dificuldades a fim de nos derrotar pela desistência. Não podemos permitir que o exército do Senhor seja destruído por tão ardilosa mentira.

Jesus na cruz triunfou sobre "principados e potestades" em clara alusão às forças do maligno. No calvário ele teve vitória total e irrevogável. o diabo sabe que seus dias estão contados e agora se volta contra nós a fim de levar o maior número de almas com ele para a perdição. Sua ira se manifesta sobre o povo de Deus e a grande tribulação descrita no apocalipse é o ápice simbólico dessa batalha. Mesmo os martirizados são vitoriosos pois o a história não se resume a esse mundo.

A mensagem para os cristãos é que Deus jamais se esquece de nós. Ele é fiel a sua aliança e não permite que o desespero triunfe. Nos piores momentos ele nos toma pela mão e faz com que desapareçam todos os nossos inimigos. Jesus venceu e nos dá a vitória junto com ele. Não desista! aqueles que confiam em Deus sabem que nada é impossível para aquele que crê. A montanha que tanto te assusta não passa de um punhado de terra para o nosso poderoso Deus.

Em Cristo

Silvio Barbosa

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Escola Bíblica

Nas igrejas de hoje, a importância da Escola Bíblica Dominical tem sido questionada. Uma redução drástica no número de participantes pode ser facilmente comprovada em conversa com os líderes de muitas igrejas. Algumas ainda contam com um bom número bruto de participantes, mas proporcionalmente ao número de frequentadores dos cultos ainda é um número baixo.  

Teria o modelo se esgotado? 

 
Antes de mais nada, deixe-me dizer que a Escola Bíblica Dominical nos moldes de hoje é uma instituição humana. Abençoou e abençoa muitas vidas, mas não está determinada ou normatizada nas escrituras. Já teve cunho evangelístico, como na época de Moody, mas hoje tem um perfil mais de discipulado, concorrendo com pequenos grupos ou células como espaço menor para troca de informações e debates. A ordem bíblica é que exista um espaço para discipulado seja este qual for, mas acredito que uma renovação na Escola Bíblica pode ser muito benéfica para a Igreja. 

Podemos questionar o horário, que realmente é complicado para quem tenta aproveitar o sábado ao máximo, no entanto existem muitas pessoas que naturalmente acordam cedo no domingo. Há a necessidade de encontrar estas pessoas, motivando-as a buscar um conhecimento mais profundo das escrituras ou mesmo um conhecimento inicial em classes mais evangelísticas. 

Precisamos capacitar os professores de forma continuada, garantindo excelência no ensino e um aproveitamento total por parte dos alunos. Nada pode ser mais desestimulante do que um professor que transforma a melhor notícia do mundo em algo enfadonho e chato. 

Devemos atualizar nossos materiais didáticos. Não existe forma de mantermos viva a Escola Bíblica Dominical com livros-texto de 10 anos atrás. Os dilemas mudaram, a abordagem mudou, a palavra continua a mesma, mas a forma de transmiti-la precisa ser alterada. 

Não podemos subestimar nossos alunos. Boa teologia, conteúdos aprofundados e atualizados podem e devem ser introduzidos na aula. Lembre-se que o participante da EBD tem acesso a inúmeros recursos e fontes de ensino, exigir que ele compareça para ouvir o que já sabe não surtirá efeito algum. 

Estas são algumas dicas para revitalizar a Escola Bíblica Dominical... o resto é trabalho sob a inspiração do Espírito Santo, esperando em Deus o crescimento da frequência e da maturidade dos participantes. 

Em Cristo

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Centralidade de Cristo

É fato atestado por pesquisas que a maioria das pessoas crê em Deus ou em deuses. Tiago em sua carta chega a afirmar que até mesmo o diabo crê em Deus e “treme”.  Biblicamente o simples fato de acreditar em uma divindade e tentar agradá-la não nos torna aceitáveis, ou em outras palavras, não nos proporciona uma vaga no céu.

A Cristologia (ou estudo sobre Cristo) nos ajuda a realmente compreender a fé dos primeiros cristãos e por que realmente estavam em oposição à situação religiosa vigente. Oscar Culmann, em sua Cristologia do Novo Testamento, pontua que historiadores e teólogos:

“Começam por expor suas ideias sobre Deus, e não mencionam, a não ser em segundo lugar, suas convicções cristológicas. (...) É tentador adotar esta ordem uma vez que ela é seguida pelas posteriores confissões de fé. Em consequência disso, se crê que a Igreja Primitiva se interessou em primeiro lugar por Deus, e só em segundo lugar por Cristo. Na realidade não é assim. A extensão desigual dos dois artigos, por si só, bastaria para pôr o fato em evidência. Por outro lado, pode-se demonstrar que a ordem trinitária das confissões de fé posteriores: Deus, Cristo, Espírito Santo era desconhecida para as fórmulas mais antigas que resumem a fé cristã. Estas apresentam uma tendência exclusivamente cristológica.”

Pedro em Atos afirma que não existe nenhum outro nome capaz de salvar. Em uma controvérsia com judaizantes, Paulo mostra que deve anunciar Jesus, pois Moisés já era pregado nas sinagogas e mesmo em sua conversão quem se manifesta a ele é o Cristo perseguido. Os israelitas esperavam o messias, no entanto não conseguiram compreender o alcance da promessa feita a eles. Emanuel, o Deus conosco, trazia a realidade da divindade habitando com o ser humano. Era algo totalmente novo um Deus que abdica de sua glória e toma a forma humana.

Noção de Deus existe há muito tempo, inclusive atributos corretos podem ser encontrados ao longo de todas as escrituras judaicas, no entanto, quem mudou a história foi Jesus Cristo, pois até hoje dividimos as eras em antes e depois de sua vinda. Cristo é o centro de nossa teologia. Nosso salvador, autor e consumador de nossa fé, único digno de ser adorado em tudo e por todos. O que difere um salvo de um não salvo é confiar nesse homem-Deus chamado Jesus Cristo, crer na existência de Deus e fazer boas obras não é suficiente. A obra de Cristo é a chave para a compreensão da graça que Deus nos deu e que nos leva para o céu.

Em Cristo

Silvio Barbosa


quarta-feira, 14 de agosto de 2013

O Deus que ajuda

"Ai dos que descem ao Egito em busca de ajuda, que contam com cavalos. Eles confiam na multidão dos seus carros e na grande força dos seus cavaleiros, mas não olham para o Santo de Israel, nem buscam a ajuda que vem do Senhor!" Is 31:1



O livro de Isaías tem momentos belíssimos nos quais Deus se dirige a seu povo como pai amoroso, disciplinando seu filho amado. É possível ver perplexidade em Deus, quando seu povo toma rumos e caminhos que o levarão à ruína. Nessa época conturbada em Israel, muitos desciam ao Egito em busca de segurança, abrindo mão de sua aliança com Deus.



Confiar em Deus é complicado. Não vemos o autor de nossa salvação, nosso defensor. A fé é a certeza do que não vemos e muitas vezes Deus realmente parece distante. Um escuridão toma conta de nossas almas, minando nossa esperança no socorro do Senhor. Descer ao Egito é símbolo de colocar nossas confiança em outro lugar que não Deus.


Muitos criticam aqueles que buscam Deus na necessidade. Consideram cristãos de segunda classe. O fato é que somos todos necessitados perante Deus. "Todos pecaram e carecem (tem necessidade) da glória de Deus". Todos somos incapazes de oferecer qualquer coisa a Deus. "Se eu tivesse fome, não to diria pois meu é o mundo e a sua plenitude." Sl 50:12. Acreditar que Deus precisa de nós é uma das mais sutis formas de arrogância espiritual que tanto desagradam a Deus.

Ao olhar a Bíblia, percebemos que o agradar a Deus está sempre baseado em confiar no seu cuidado e proteção. Israel não teve dificuldades em construir o tabernáculo, mas sem Moisés caiu na idolatria por não crer no cuidado de Deus. Não se engane, as obras cristãs são consequência de um relacionamento de amor e confiança com o nosso Deus. Não são a causa de nossa aceitação, pois assim a salvação seria por obras.

Aquele que busca ajuda em Deus será o primeiro a agradecer quando a resposta vier. Deus será louvado por seus próprios atos. Se alguém esquecer de dar crédito a Deus, não cabe a nós julgar. A nós cabe a missão de anunciar um Deus digno de toda nossa confiança e sempre disposto a nos ajudar.

Em Cristo

Silvio Barbosa




quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Lugares de Descanso

"Até que se derrame sobre nós o espírito lá do alto; então o deserto se tornará em campo fértil, e o campo fértil será reputado por um bosque. E o juízo habitará no deserto, e a justiça morará no campo fértil. E o efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre. E o meu povo habitará em morada de paz, e em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso." Is 32:15-18

O ser humano luta diariamente contra o cansaço. A vida é trabalhosa, os dias difíceis, os dilemas e problemas drenam nossa força constantemente. Biblicamente isto é reflexo da primeira desobediência, pela qual recebemos como punição o cansaço para o sustento da vida.

Adão vivia em um mundo no qual existia trabalho: ele deveria zelar pelo jardim. No entanto, não existia cansaço, dor, angústia. Ele pôs tudo isso a perder, mas um Deus amoroso não poderia deixar esta história ter um fim tão trágico. A Bíblia é o livro de um Deus que constantemente vai em direção aos seus escolhidos, tentando uma reaproximação, uma reconciliação. É Deus quem toma a iniciativa de nos trazer pra perto.

Maravilhoso é saber que todo o cansaço terá um fim e que estaremos com Ele em alegria perfeita por toda a eternidade.

Em Cristo

Silvio Barbosa


quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O Deus que Endireita Caminhos

"Tu guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia. Confiem para sempre no Senhor, pois o Senhor, somente o Senhor, é a Rocha eterna. Ele humilha os que habitam nas alturas, rebaixa e arrasa a cidade altiva, e a lança ao pó. Pés as pisoteiam, os pés dos necessitados, os passos dos pobres. A vereda do justo é plana; tu, que és reto, torna suave o caminho do justo". Isaías 26:3-7

Isaías vivia em uma época conturbada na história de seu povo. Deus havia trazido ou permitido a catástrofe em virtudes dos grandes crimes cometidos em Israel. O Senhor anunciava julgamento às nações e a vida era dura para todos. Em meio a esse cenário caótico Isaías se vira para o povo e começa a profetizar de modo diferente. Prometia caminhos planos àqueles que confiavam em Deus.

Apenas um profeta muito seguro do seu chamado seria capaz de decretar paz em meio a guerra, somente um profeta guiado pelo Espírito Santo conseguiria andar contra a corrente e acreditar em um Deus que consegue contemplar o justo e vir em seu auxílio. É fato que existem dificuldades para todos, mas é notável como Deus interfere positivamente na vida daqueles que nele confiam.

Não vamos entrar em polêmicas sobre Teologia da Prosperidade, mas é fato que a Teologia do Sofrimento Humano, ou da Pobreza extrema não se aplicam a visão que a Bíblia nos oferece. Biblicamente vivemos sob perseguição de Satanás e suas hostes somados a seu sistema mundial, mas também sob o cuidado de um Deus que tem prazer, como pai amoroso, de dar boas coisas a seus filhos.

É muito fácil desanimar quando chegam os momentos difíceis  mas aqueles que firmam seus passos na Rocha Eterna, encontram vigor e força para enfrentarem as lutas e saírem vitoriosos em todas as circunstâncias.



Em Cristo

Silvio Barbosa

P.S.: Acessem o novo site da Grace (minha esposa) www.maezissima.com.br e curtam a página do face: https://www.facebook.com/maezissima Obrigado a todos.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Resposta Branda

Pv 15:1 "A RESPOSTA branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira."

Já disse o apóstolo que quem domina a lingua, domina o corpo todo. É fato de que muitas vezes, especialmente diante de injustiças, nosso sangue ferve e prontamente temos um resposta agressiva pra dar. Queremos que a justiça esteja sempre a nosso favor e nos iramos quando as coisas não saem como queremos.

Acontece que uma resposta atravessada nunca resolve uma contenda, apenas piorra a situação. Jesus chamou de bem aventurados os pacificadores. A palavra ríspida nunca está ao lado da paz, mas sim da guerra. Não caia nesse golpe de satanás, refreie sua língua e desfrute de paz com todos naquilo que depender de você.

Em Cristo

Silvio Barbosa


sexta-feira, 28 de junho de 2013

Desobediência Civil

At 4:19 "Respondendo, porém, Pedro e João, lhes disseram: Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir-vos antes a vós do que a Deus;"



Diante desta onda de protestos um pergunta surge na cabeça dos cristãos mais devotos: Como devo me portar? Participo dos protestos? Fico orando em casa? Defendo o governo, uma vez que seu mandato vem de Deus? O ensino sobre a obediência civil necessita de uma ponderação à luz das escrituras.




É certo desobedecer algum tipo de governo ou polícia? Para Pedro e João a resposta é sim, desde que as autoridades humanas se coloquem em oposição à vontade de Deus. De maneira mais simples, em meu trabalho devo obediência ao meu superior hierárquico direto, a menos que o gerente geral da agência tenha ordens diferentes. Uma autoridade, excetuando-se Deus, tem uma mandato temporário e limitado, por isso não é bíblica uma obediência cega que ignore os níveis de respeito que devemos ter. A cadeia de autoridade tem como objetivo disciplinar e facilitar o trabalho de todos, no entanto não é algo engessado que não precise passar por reflexão.




Quando Gandhi marchava contra os ingleses estava em rebeldia? Martin Luther King contra o racismo era insubmisso  Dois exemplos da história pode receber interpretações distintas por parte dos cristãos, no entanto exemplos bíblicos tem o poder de nos colocar no caminho interpretativo correto. Jeremias era insubmisso por se opor ao rei? Elias ao confrontar Acabe e Jezabel? Paulo por se opor a Pedro? Ou ainda Paulo ao exigir que o libertassem publicamente por ser Romano? Ou Pedro por fugir da cadeia? Todos foram exemplos de desobediência civil por vontade de Deus.




A chave esta em quem é a autoridade máxima. Deus nos chama para vivermos pacificamente, no entanto nos conclama a não tomarmos a forma do mundo. Somos obrigados por nossa aliança divina a desobedecer tudo o que se coloque em oposição aos caminhos de Deus. Infelizmente  preferimos hoje gastar um tempo muito grande para fazer com que as leis se adequem a agenda evangélica. Podemos simplesmente dizer não e arcarmos com as consequências como os apóstolos de antigamente, ou os mártires e muitos outros que ousavam desobedecer.




Um cristão jamais deve praticar vandalismo, jamais deve roubar, jamais deve fazer nada que fira as diretrizes de Deus para a vida do ser humano, mas tem o dever de se opor quando a injustiça toma conta do País. Precisamos de uma igreja que tem fome e sede de justiça como esses homens e mulheres que tem saído às ruas para protestar. Aos que tem sede temos a promessa de saciedade. Vamos acordar ou continuar a encontrar desculpas piedosas para o nosso sono? Sairemos às ruas com a mensagem do evangelho ou ficaremos isolados entre nossas quatro paredes dominicais?




É hora de levantar como igreja gloriosa do Senhor, marchando como um exército poderoso que não se satisfaz até que o Reino de Deus seja implantado na terra. Eu vou! E Você?




quarta-feira, 26 de junho de 2013

O Gigante acordou e a Igreja?

At 17:6 “E, não os achando, trouxeram Jasom e alguns irmãos à presença dos magistrados da cidade, clamando: Estes que têm alvoroçado o mundo, chegaram também aqui;”
At 17:10-19  “E logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Beréia; e eles, chegando lá, foram à sinagoga dos judeus. Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim. De sorte que creram muitos deles, e também mulheres gregas da classe nobre, e não poucos homens. Mas, logo que os judeus de Tessalônica souberam que a palavra de Deus também era anunciada por Paulo em Beréia, foram lá, e excitaram as multidões. No mesmo instante os irmãos mandaram a Paulo que fosse até ao mar, mas Silas e Timóteo ficaram ali. E os que acompanhavam Paulo o levaram até Atenas, e, recebendo ordem para que Silas e Timóteo fossem ter com ele o mais depressa possível, partiram. E, enquanto Paulo os esperava em Atenas, o seu espírito se comovia em si mesmo, vendo a cidade tão entregue à idolatria. De sorte que disputava na sinagoga com os judeus e religiosos, e todos os dias na praça com os que se apresentavam. E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição. E tomando-o, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas?”
Intro:
Você se acha capaz de mudar o mundo?
No Brasil, estamos acompanhando uma série de protestos de pessoas que se julgam capazes de mudar o país. Ideias difusas, sem um alvo claro, sem liderança clara.
De alguma forma eles mudaram o Brasil. Para melhor? Para pior? Somente o tempo dirá, mas o certo é que utilizaram apenas ferramentas humanas para conseguir seu objetivo.
Que impacto teriam se contassem com o poder de um Deus Todo-poderoso?
Lc 19:38-40 “Dizendo: Bendito o Rei que vem em nome do Senhor; paz no céu, e glória nas alturas. E disseram-lhe de entre a multidão alguns dos fariseus: Mestre, repreende os teus discípulos. E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão.”
O que vemos no Brasil é o clamor das pedras clamando por justiça, mas sabemos que os que realmente têm fome e sede de justiça serão saciados.
1.     Alvos variados fazem com que o movimento perca força.
Na última quinta-feira, andei juntamente com uma multidão protestando na Avenida Sete de Setembro em Curitiba. Era bonito vera animação, a motivação, a força do movimento, no entanto era visível que eles não tinham um norte. Uns queriam o fim da corrupção, outros fora dilma, outros fora richa, outros direitos lgbt. Todos queriam algo, mas não havia unidade. Em certo momento alguns queriam chegar à Praça do Japão, outros entraram em uma rua antes.
Um movimento somente é forte quando anda em unidade de propósito. Paulo e Silas sabiam disso, tanto que tinham estratégias bastante conhecidas em cada cidade que entravam. Visitar as Sinagogas era certeza de conseguir alguns discípulos entre os judeus e atingir uma multidão de gentios curiosos acerca de coisas espirituais
Paulo não se propunha a outra coisa senão a pregar o evangelho, ou seja, que Jesus cristo era o Messias prometido aos judeus, que nasceu, foi rejeitado, morto, ressuscitou e agora é capaz de salvar todos os que se achegam a ele.
Doutrina é importante para quem já foi salvo, não pra quem ainda está perdido.
A igreja anda confusa, pois muitas vezes prega salvação para os salvos e doutrina para os perdidos. Santificação vem depois do primeiro encontro com Jesus.
Foco na mensagem da salvação colocaria muitas igrejas que hoje brigam entre si em um alvo único: salvar vidas. As estratégias e ênfases mudam, mas a mensagem seria ouvida pelos que precisam.
2.     Sem fé é impossível agradar a Deus ( Hb 11:6)
Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”
Para ser eficiente na evangelização é preciso crer, é preciso realmente acreditar naquilo que estamos falando.
Paulo pagava um preço altíssimo para anunciar Jesus. Por quê? Porque acreditava firmemente naquilo que anunciava. Sempre acreditou? Não, tanto que era perseguidor da igreja. Todos acreditaram em sua mudança? Não, tanto que a igreja teve receio de recebê-lo até barnabé dar o primeiro passo.
Acreditaríamos se o maior inimigo do evangelho passasse a ser seguidor e defensor da fé? Não tente dar uma resposta para parecer melhor aos seus olhos. Somos homens e mulheres de pequena fé, que precisam clamar dia e noite para que Deus a aumente ao ponto de ser uma pequena semente capaz de nos lançar em direção ao nosso alvo.
Repetimos mecanicamente formulas e expressões de fé, mas quando o calo aperta buscamos outros Deuses. Deus permite muitas vezes que cheguemos a situações desesperadoras a fim de conhecermos o Deus que ressuscita os mortos. “Se Deus é por nós, quem será contra nós” Se perdermos essa vida, ele já preparou uma melhor e mais gloriosa. Se nos rejeitarem no mundo, ele nos acolhe e sustenta. Nosso Deus é o único Deus verdadeiro.
3.     As armas da fé (Ef 6:11-18)
“Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos,”
Muitas revoluções foram feitas com armas carnais. Nossa luta, no entanto, não é carnal, por isso armas humanas são ineficientes.
Já falamos sobre o evangelho e sobre a fé. Então vamos dar uma passada pelas outras armas que Deus nos proporciona.
a.       A verdade: “não temos poder contra a verdade, mas sim a favor dela.” Nossa efetividade está condicionada a nossa aderência a ela. Satanás é o pai da mentira, suas estratégias não se aplicam aos filhos da luz.
b.      A Couraça da justiça: um cristão jamais deve ser injusto, jamais deve estar a favor da injustiça, ser parcial, propagar ou promover qualquer coisa nesse sentido.
c.       Capacete da salvação: certeza de nossa eternidade com Deus.
d.      A espada do Espírito (A palavra de Deus): aqui reside nossa única arma de ataque. Todas as outras são defensivas. A palavra de Deus capaz de discernir o justo do injusto, a verdade da mentira, capaz de realmente edificar, de derrubar as muralhas da incredulidade, de levar todo pensamento cativo a cristo, capaz de salvar, capaz de curar. A palavra de Deus é o próprio Cristo, e através da nossa confissão dela seremos realmente vitoriosos.
Conclusão:

A igreja precisa acordar, mas ela só vai acordar se você acordar e lutar com as armas certas.


terça-feira, 4 de junho de 2013

Encruzilhadas

"Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um homem, até que a alva subiu. E vendo este que não prevalecia contra ele, tocou a juntura de sua coxa, e se deslocou a juntura da coxa de Jacó, lutando com ele. E disse: Deixa-me ir, porque já a alva subiu. Porém ele disse: Não te deixarei ir, se não me abençoares." Gn 32:24-26

Este texto representa um grande marco na vida do patriarca de Israel. É com certeza o momento mais representativo de seu chamado divino. Um homem com suas lutas e história, agora enfrenta, segundo as melhores leituras, o próprio Deus, vencendo-o por sua perseverança e fé. Não importa a opinião que você tenha sobre Jacó, mas é preciso admitir que ele era um obstinado atrás de seus objetivos.

Por mais que a crítica moderna tente diminuir a grandeza do personagem, tratando-o como um mero usurpador, é fato que Jacó tem a seu favor o testemunho do próprio Deus. A Bíblia não diz que Jacó roubou a benção do irmão, diz que Esaú a desprezou. Jamais afirma que o período com Labão era um castigo para o patriarca,  por outro lado vemos Deus fazendo prosperar tudo o que colocava a mão. Nossa mentalidade é demasiadamente limitada para compreender a opinião que Deus tem sobre algo ou alguém.

Toda a história de Jacó se resume a perseguir a benção. Benção pode ser traduzida do original hebraico como 'falar bem'. Encontramos eco na espanhola 'bendicion'. Benção era o momento em que o patriarca declarava palavras boas projetando o futuro de seus herdeiros. Estas palavras, segundo a crença da época, se tornariam realidades futuras. Jacó empregava todo o seu esforço em receber estas palavras, garantindo assim um futuro promissor.

No momento da luta citada acima, Jacó estava em sua maior encruzilhada. O homem descrito como um ser celestial causaria terror em todos os seus contemporâneos. Diante do próprio Deus, não se amedrontou e continuou perseguindo a benção. 'não te deixarei ir se não me abençoares'. Diante das encruzilhadas da vida, ele continuava perseguindo seu alvo. Nada o moveria de sua decisão. Ninguém o moveu de sua busca e como prêmio têm o testemunho de que venceu a Deus e agora seria chamado de Israel, o príncipe das nações, o vencedor.

Paulo nos encoraja a lutar para vencer. Jesus nos direciona para a vitória, mas precisamos enfrentar nossas encruzilhadas e seguir em busca dos nossos sonhos. Não desista. A vida é dura pra todos, mas somente os que a enfrentam e perseveram saem vitoriosos. Deus não criou você para o fracasso, mas o moldou para ser bem sucedido na missão que concedeu a você. Acredite nisso, lute suas batalhas e com certeza a benção de Deus te alcançará.

Em Cristo

Silvio Barbosa


quarta-feira, 29 de maio de 2013

Sempre vamos a Deus por necessidade

De tempos em tempos uma velha discussão aparece na igreja: como lidar com pessoas que se aproximam do evangelho em busca de alguma coisa. Somos rápidos em condená-los, mostrando como seu pensamento é limitado. Igrejas ficam lotadas todos os dias por pessoas necessitadas. Muitos entregam seus bens em busca de uma resposta imediata para seus problemas. O que Jesus diria?

É melhor ouvir o que ele disse ao invés de tentar imaginar o que ele diria:

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei." Mt 11:28

Jesus era perseguido todos os dias por pessoas em busca de milagres. Uns buscavam cura, outros libertação, outros alimentos. De fato são inúmeras as passagens que relatam homens e mulheres atrás de Jesus para a solução de problemas específicos. Cegueira, paralisia, fluxo de sangue são apenas alguns dos motivos. Outros buscavam respostas para suas dúvidas, outros aprovação, outros ainda buscavam a libertação política de Israel. De fato é muito difícil encontrar passagens em que as pessoas chegavam a Jesus sem nenhum interesse. Em uma passagem dura de Jesus após a multiplicação dos pães, apenas os doze permaneceram, pois Jesus tinha "as palavras de vida eterna", mostrando seu interesse na vida que Jesus proporcionaria. Dos 12 à multidão, todos vinham por interesse.

"Se não vir pelo amor, vem pela dor" é uma frase bem corrente em nossas igrejas, no entanto falha ao captar a realidade do ministério de Jesus. De fato apenas a dor nos leva a Deus. O arrependimento genuíno é doloroso e traz consigo o pavor da condenação e um sentimento total de incapacidade. Todos vamos a Deus por necessidade, mas só somos salvos quando percebemos que a reconciliação com Deus é o que de fato precisamos. Deus não precisa de nós, nós precisamos dele. "Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera." Is 64:4

Nosso grande orgulho é dizer que temos algo a oferecer a Deus. Ah! Como somos arrogantes! Nos salmos não passamos de pó, de sopro. Nossa justiça trapos de imundícia  Se conhecêssemos a Deus de verdade não condenaríamos os inocentes. Somos como os fariseus que se vangloriavam de serem fieis e zelosos. Lamento informar a você que os publicanos de hoje saem justificados e nós condenados. Quando levantamos nosso dedo contra ministérios que mal conhecemos, estamos incorrendo em soberba espiritual. Quem é você para julgar a obra do seu próximo? Já chorou por ele? Já testemunhou pra ele? Já parou para conversar? Ou vai continuar a simplesmente reproduzir seus preconceitos?

Aqueles que mercadejam a fé serão julgados por Deus. Paulo se alegrava por que mesmo assim o evangelho avançava. Você ficaria muito surpreso se visse que muitos desses tem levado mais pessoas ao reino do que você. Você ainda se acha no direito de julgar? Quem pregou o evangelho somente por interesse será castigado por Deus, mas você, que se orgulha de ter a verdade, vai sair impune por esconder essa verdade dos que precisam dela? Não se engane. Quem você pensa que engana? Deus? Se julgássemos a nós mesmos, não seriamos condenados.

Não critique as razões de alguém que está se aproximando de Deus. O filho pródigo voltou porque estava com fome e encontrou um pai de braços abertos. Muitos virão apenas por interesse, mas Deus se mostrará a eles e os dará salvação. A nós resta apenas a alegria de saber que em Jesus os mortos ressuscitam, os cegos veem, os surdos ouvem e a todos é anunciado o reino. Essa é nossa porção. O resto é entender nossa miséria e clamar todos os dias pelas riquezas de Deus em nossas vidas. "bem aventurados os pobres em espírito, pois serão saciados."  Esse sou eu. Pobre, cego e nu, desesperado todos os dias por mais de Deus, enfrentando batalhas que não sou capaz de vencer, mas com a certeza de que o meu paizinho cuidará de tudo pra mim. Ele é o meu pai, ele é o seu pai. Cheio de dádivas. "galardoador daqueles que o buscam". Não precisava nos dar nada, mas o seu amor é tão grande que não recusou dar-nos seu filho unigênito. Todo o resto é menor e no tempo certo vai te dar. Confie. Ele não mudou.

Em Cristo

Silvio Barbosa




segunda-feira, 27 de maio de 2013

Tornando-se grande diante de Deus

A sede por poder é uma constante em nossa sociedade desde os nossos primórdios. Homens e mulheres empreendem grande esforço para obter um nome perante a humanidade. Estamos acostumados a elogiar e reverenciar aqueles que atingiram posição de destaque. Estadistas, cientistas de renome, filantropos, homens de negócio. Nosso pensamento sempre se volta a ser como eles.

No cristianismo, enfrentamos a mesma situação: somos ávidos por poder. Isso não é exclusividade nossa, mas mesmo entre os apóstolos podemos observar este sentimento. "Então se aproximou dele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando-o, e fazendo-lhe um pedido. E ele diz-lhe: Que queres? Ela respondeu: Dize que estes meus dois filhos se assentem, um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino. (Mt 20:20-21)" Dois apóstolos querendo posição de destaque no reino. Antes de condená-los, vamos ler a reação dos outros apóstolos.: E, quando os dez ouviram isto, indignaram-se contra os dois irmãos. (Mt 20:24)" Sua raiva não era devido ao zelo do Senhor, mas pela sensação de poderem se tornar integrantes menores do reino.

Jesus em sua sabedoria divina não os recriminou por quererem ser grandes, no entanto, mostrou a eles a chave para a genuína grandeza cristã.: "Então Jesus, chamando-os para junto de si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo; Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos. (Mt 24:25-28)"

Jesus não nos condena por buscar um nome, no entanto mostra que a forma de conquistá-lo é através do serviço. A galeria dos chamados heróis da fé é composta por homens que realmente serviram a Deus com grande sacrifício. Estes receberam grande testemunho de Deus de que o mundo não era digno deles. Deus subverte nossa noção de grandeza. pra nós maior é o que é servido, pra Deus maior é o que serve.

Nós descrevemos Deus como um soberano exigente, a Bíblia descreve Deus como um pai amoroso que tem prazer em fazer coisas boas para seus filhos. Aquele que faz a chuva cair sobre justos e injustos, aquele que faz o sol nascer, aquele que sustenta em suas mãos nossas vidas e todo o universo.

Jesus veio para servir e se continuamos no mundo é pra servir também. Desejo do fundo do meu coração ser o maior cristão vivo na terra, mas sei que para ser teria que me tornar o servo de todos. Muito provavelmente não serei, mas a única forma de me aproximar desse objetivo é servindo. Sigamos este caminho que nos leva a cada momento mais perto de Deus.

Em Cristo

Silvio Barbosa




Nova funcionalidade do Blog

Instalada nova ferramenta para postagem rápida e curta. Esperamos que a interação aumente e que este seja um espaço de troca com vistas ao nosso amadurecimento em Cristo.

Silvio Barbosa

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Fim do Bolsa Família

No último sábado (18/05/2013), um boato sobre a não continuidade do programa social Bosla Família levou milhares de pessoas a agências da Caixa a fim de sacarem o dinheiro antes que acabasse. O desespero tomou conta de grande contingente de pessoas que tem no programa grande parte de sua renda. Não estou aqui pra tratar de política, mas sim pra fazer uma relação com o que chamamos de período da graça.

Jesus morreu para que tivéssemos a chance termos a vida eterna. Qual seria a reação das pessoas se esse período simplesmente acabasse?

"E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos.E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir." Mt 25:11-13

A Bíblia nos afirma categoricamente que o tempo da vinda de Jesus é imprevisível. De uma hora para outra a humanidade como conhecemos não mais existirá. Estamos prontos para este encontro? Estamos prontos para o fim do período da graça? Nossos amigos queridos e familiares estão prontos?

A Bíblia descreve o estado de desespero dos que não aceitaram a oferta de Jesus como "choro e ranger de dentes", ou seja, um lamento muito profundo, muito maior do que a perda de um beneficio temporal. O fim do Bolsa Família foi apenas um boato, mas a segunda vinda de Jesus em poder pra julgar será algo real. Maravilhosa para aqueles que confiaram na oferta de salvação de Jesus e terrível para aqueles que negaram tal dádiva de amor.

Para fins didáticos: se o bolsa família tivesse terminado no último fim de semana, todos os que não tivessem corrido às agências da Caixa ficariam sem este dinheiro. Na volta de Cristo, as mulheres prudentes o buscaram enquanto era tempo, as néscias quando já era tarde. Aqui fica uma dica "buscai ao Senhor enquanto se pode achar". Entregue seu caminho a ele no dia que se chama hoje. Fale aos outros do seu amor. Amanhã não sabemos o que nos reserva. Estejamos preparados.

Em Cristo

Silvio Barbosa


segunda-feira, 20 de maio de 2013

Antes de tirar o cisco...

"Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?" Mt 7:14

Em um diálogo clássico com os fariseus, Jesus aponta sua grande hipocrisia ao atentar nos erros dos outros antes de fazer um reflexão sobre sua própria vida. Figuras como sepulcro caiado, interior do copo sujo são evidências de uma religiosidade meramente exterior, uma religiosidade carente de sentido real, destituída de verdade. Não se engane, aqueles homens eram os mais respeitados da nação, invejados pelos pobres "pecadores", que eram constantemente oprimidos por seu legalismo. Somente alguém com a autoridade de Jesus seria capaz de lançar-lhes em rosto sua hipocrisia.

Infelizmente não somos diferentes dos fariseus. Nossa vida cristã muitas vezes está baseada em rituais externos, sem sentido. Julgamos a saúde espiritual uns dos outros pela pura aparência. Nos arvoramos em juízes, sem perceber que quando fazemos isso nos afastamos do crucificado e nos aproximamos dos crucificadores. Jesus foi dado a morte por seu povo, em substituição a ele, mas também entregue diretamente por ele. Jesus morreu por nós, mas muitas vezes nossas atitudes são as mesmas que o levaram a cruz: "ele veio para os seus, mas o seus não receberam"

Vamos colocar a mão na consciência. Quantas vezes olhamos para o nosso irmão e nos julgamos superiores? Quantas vezes ficamos espantados com as palavras "torpes" na boca de outros cristãos? Quantos vezes ficamos assustados com os hábitos dos outros? Quantas vezes dizemos que alguém está frio espiritualmente? Quantos vezes declaramos que uma igreja está morta? ou é corrupta? ou está apenas tentando enganar os fiéis? quem nos deu esse direito de julgar? Quem nos tornou juízes e não mais cumpridores da lei?

"Pela graça sois salvos, isso não vem de vocês, é dom de Deus para que ninguém se glorie". A autoconsciência nos faria entender que se somos salvos é pelo amor de Deus. Se não pecamos é graças ao agir diário do Espírito Santo. Aliás "se alguém disser que não tem pecado, este é mentiroso". Todos  pecamos e estávamos destituídos da glória de Deus, mas como pai amoroso pagou um preço altíssimo para que pudéssemos ter comunhão com ele e com os irmãos. Paulo disciplinava a igreja severamente, mas sempre chorando por eles em oração. Não se orgulhava de ser melhor, mas se considerava o pior dos pecadores, totalmente entregue, totalmente grato, totalmente consciente de que sua vida era daquele que o havia livrado da morte.

Amemos de verdade, não apenas de língua  assim tiraremos a trave do nosso olho e então com visão perfeita seremos capazes de ajudar nosso irmão a se livrar de seu cisco.

Em Cristo

Silvio Barbosa